EXPERIÊNCIA com o Grupo Teatral É isso, é?! Joaíma (MG) agosto de 2010



Cheguei óntem da cidade de Joaíma MG situada no Vale do Jequitinhonha. A convite do diretor teatral Luciano Silveira para criar coreografias e partituras corporais para o novo espetáculo do 
Grupo Teatral É isso, é?!:
O operário em construção. 
O Grupo Teatral É isso, é?! existe desde 2002. É o único grupo de teatro da cidade. Atualmente é composto por Carlos Pereira, Gilvan Gomes, Luciano Dias e Sara Botelho. É o primeiro espetáculo de rua realizado pelo grupo.
Encontramo-nos todas as tardes de terça dia 10 de agosto a sábado dia 14 de agosto, chegando a oito horas de trabalho diário.
Fizemos aula voltada para as necessidades do espetáculo, debatemos sobre o tema e suas relações com o cotidiano, criamos sequências, ensaiamos incansavelmente, comemos, bebemos, rimos, filmamos e fotografamos para registrar nosso encontro, desenhamos, assistimos, analisamos os impactos e resultados, realizamos mostra para a comunidade seguida de debate, trabalhamos e trocamos muito e não somos mais os mesmos.
Fiquei hospedado na casa (de) da Sara, onde fui recebido com todo carinho, conforto e atenção de perfeitos anfitriões. Foram cinco dias plenos de segurança e alegria.
Perturbado vez ou outra pelas peripécias de Argos, o seu cachorrinho de estimação.
Tenho total confiança no trabalho do Luciano Silveira. Esta já é a nossa quinta parceria. E ainda planejamos fazer muita coisa legal juntos.
Lacrimejávamos assistindo aos últimos ensaios gerais da peça em desenvolvimento.
Percebemos o crescimento técnico, expressivo e profissional dos componentes a partir das dificuldades que o trabalho impõe.
Não vou falar muita coisa para não estragar surpresas.
Obrigado Carlinhos, Gil, Luia e Sarinha por todos estes dias de alegria e aprendizado que passei na companhia de vocês.
Obrigado Luciano por mais um voto de confiança no meu trabalho.
Parabéns a todos!

Abraços saudosos e até a próxima!

3 comentários:

Arte Fino disse...

Que proposta bacana de troca de experiências. Sinto falta deste tipo de preocupação com a qualidade dos trabalhos cênicos produzidos hodiernamente.
Nossa região é composta por grupos de teatro "amadores" por não possuírem registro de profissional, mas a arte produzida não tem de seguir rótulos CLTistas.
Buscar parcerias, matar-se de ensaiar algo que pode nem mesmo ser usado em cena apenas pelo prazer de experimentar compoem uma parcela do que seja realmente o ofício do artista de teatro.

valeu,
deu vontade de assistir!

monica mosqueira disse...

Belo registro/Belo arranha céu.

clenio disse...

vale a pena assistir, é um trabalho muito legal, sou fã!